sábado, 28 de janeiro de 2017

Dia especial



Ontem foi um dia muito especial.

O meu Gil. O meu pequeno (grande Gil) teve o seu momento especial.
E porque é que hoje foi um dia especial? Porque foi hoje que eu percebi que o meu menino deixou de ser um rapazinho e passou a ser um adolescente.
Mas deixem que vos conte um pouco da história do Gil.

O Gil era uma criança muito irrequieta. Ele não andava, corria. Era um miúdo que não podia estar em lugares com muita gente. Não suportava o barulho. Onde tudo tinha a hora certa para acontecer.
Por exemplo, apesar de jogar futebol, não conseguia ir ao estádio ver um jogo. Não suportava ouvir a multidão gritar. Ir ao cinema, era complicado. Ficava sempre ao meu lado e de mãos dadas, pois quando o som subia de volume, ele tapava os ouvidos e fechava os olhos.
Outro exemplo, tinha de lanchar sempre às cinco. Tinha que estar em casa cedo, porque tinha que ir dormir às 21h30.

Mas hoje ... O Gil é um adolescente completamente diferente. Ainda joga futebol. Mas faz teatro e anda aprender a tocar bateria! Bateria! Logo um instrumento que faz imenso barulho. Imaginem!

A escola que o Gil e a Mada frequentam, coloca à disposição dos alunos algumas actividades extra-curriculares. O objectivo é que a escola seja também um espaço onde pode ocorrer outras actividades que não as habituais. Daí que existam vários clubes: de música, leitura, teatro, etc...
O Gil quis entrar no da música, porque queria tocar no espectáculo da escola. Nunca pensei que fosse acontecer. Mas, quis o destino que o pai do grande amigo do Gil obtivesse uma bateria em segunda mão e tudo se conjugou....

Ontem, foi o espectáculo e eu não podia estar mais orgulhosa. O Gil foi um sucesso! Sim, eu sei que sou uma mãe babada e a minha opinião não é imparcial! Mas, digo-vos, não me espantará se ele optar por uma carreira no mundo da música! E cá estarei eu para o apoiar. Só quero que seja feliz! E ontem, sei que ele foi.

E por aqui me fico!
Fiquem bem!






quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Estou de volta!


Olá amigos!
Estou de volta!
Perdoem esta minha ausência! Agradeço-vos do fundo do coração a vossa paciência e compreensão.
Percebo e não fico triste se não me perdoarem. Eu quase não me perdoo!
Como é que pude deixar de vir aqui? Este cantinho foi uma descoberta para mim. Uma descoberta muito agradável e que não quero perder! Mas então o que andaste a fazer,Serena?
Nada de especial e tudo ao mesmo tempo.
A minha vida é sempre um corre-corre, mas nada justifica esta falta de notícias.
Não posso prometer que não volta a acontecer, mas apenas que irei fazer os possíveis para vir aqui mais vezes, saber de vocês e contar-vos de mim.
Ai, a minha cabeça.... Já me esquecia. Antes de começar a divagar, quero desejar que o próximo ano seja pleno de tudo o que vocês mais desejam e que sejam felizes, mas mesmo muito felizes!
Cá em casa, a vida continua igual. As aulas recomeçaram. Os miúdos continuam nas actividades habituais; música, teatro, futebol para o Gil e Acrobática para a Mada.
O meu projecto pessoal está a desenvolver mais e a exigir mais atenção. Daí que a minha resolução de Ano Novo seja a Organização! Sim, se formos organizados e planeramos ao máximo as nossas tarefas diárias, conseguimos realizar tudo o que pretendemos. Pelo menos, é o que dizem os especialistas...
E meus amigos.... Se bem o pensei, melhor o fiz. Comprei uma agenda e planeio as minhas tarefas diárias. Vamos ver quanto tempo dura...
Pelo menos, espero que me ajude a conseguir vir aqui mais vezes...
E por aqui me fico!
Fiquem Bem!





quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Felicidade para sempre



Esta altura do ano é sempre uma confusão cá em casa. Mas é uma confusão que adoro! Correrias de um lado para o outro....
Começa, geralmente, no aniversário da Mada e termina no final do ano...
A filhota fez 13 anos e, como é habitual, reuniu-se a família. Casa cheia, pois apesar de ser só as pessoas mais chegadas, ainda somos cerca de 20. Junte-se aqui a nossa gata e a nossa cadela, como não poderia deixar de ser.
É com um misto de sentimentos que vejo o quanto a filhota cresceu.... Por um lado, estou expectante quanto ao seu futuro e tudo o que se lhe adivinha, por outro, tenho saudades de quando era bebé e das fases que já passaram.
Sentimentos de uma mãe babada e galinha, que está a ver o pintainho a querer sair do ninho e a ser cada vez mais independente...
Apenas lhe desejo que seja muito feliz e que a felicidade seja para sempre. Que tenha muita saúde e força para lutar pelos sonhos que deseja alcançar.
Ontem, foi a minha vez de celebrar o meu aniversário!
Como vocês sabem, gosto de coisas simples e a celebração não fugiu à regra! Jantar fora apenas com o marido e os filhotes! Este foi o meu dia perfeito! Esta é a felicidade para sempre!
Os meu votos de Natal para todos vocês, meus amigos, é a felicidade para sempre, seja ela qual for.

E por aqui me fico!
Fiquem bem!

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Quero ser eu....


Todo o meu ser debate-se para sair, fugir, escapar 
Sem se preocupar com as consequências
O meu corpo anseia por outra vida, sem querer se preocupar
Quer ser livre, quer poder voar, sonhar, procurar
Quer bater com a porta, mas....
A vida não deixa, a realidade prende,
Sinto-me num frenesim, num rodopio de energia 
Sinto-me a sufocar....

Quero gritar: BASTA!
Dizer que já chega,
Que agora é a minha vez
Eu também sou importante
Que também tenho direito de VIVER!
Chega de sobreviver...
De andar de um lado para o outro
De ir à deriva, ao sabor do vento!

Quero poder ver tudo e dar tudo...
Quero absorver, experimentar...
Quero aprender, quero crescer....
Quero ensinar que a vida é mais 
do que o que nos deixam viver
do que o que nos impõem 
Quero mostrar que sou mais 
Quero controlar, ditar o que sou
QUERO SER EU!

E por aqui me fico!
Fiquem Bem!



terça-feira, 22 de novembro de 2016

Encontro marcado - Sem ti....


Desde há um mês que corro todos os dias para o nosso café!
Quando chego, já lá estás. Vês-me e sorris. E eu, apaixonada, retribuo o sorriso. Hipnotizada, sigo na tua direção, indiferente ao que se passa à minha volta.
Há um mês que não olho ao meu redor .... Que não vejo o mundo... Que não vivo para mais nada. Apenas sei que corro... para ti... Para te encontrar no nosso café, há hora marcada.
O nosso encontro diário é sempre igual. Tu contas-me histórias da tua vida e eu oiço tudo, sôfrega. Bebo todas as tuas palavras.
Sei que a tua família tem origem italiana e que passaste a tua infância em Roma. Vieste para Portugal, no início da adolescência e que aqui assentaste arraiais. Sei que quando terminaste o secundário, não foste logo para a faculdade. Decidiste que querias conhecer a Europa e, nada, nem ninguém, te demoveu do teu intento, e lá foste tu... Tornaste-te cidadão do mundo, jornalista e escritor. Voltaste a Lisboa e aqui tens permanecido, de forma, mais ou menos regular.
Hoje, mais uma vez, apresso-me para ir ao teu encontro. A ansiedade não diminuiu. As borboletas na barriga insistem em continuar a dançar e é como se fosse novamente o primeiro dia... O dia em que finalmente te conheci. Mentalmente, revejo o teu rosto, o teu sorriso, as nossas conversas.... E as borboletas dançam mais um bocadinho... O meu coração pula e sinto a cara a ficar vermelha. Seria de esperar que este nervosismo, esta ansiedade tivesse acalmado, mas não é assim.
Sinto-me como se fosse novamente uma adolescente, que está a viver o grande amor da sua vida!
Apaixonada! Sim, estou apaixonada! E sou tão feliz!
Com um sorriso no rosto, subo a rua a um ritmo apressado. No entanto, as pernas parece que me atraiçoam. Luto comigo própria para andar mais depressa e finalmente chego à soleira da porta do café. Paro para recuperar o fôlego. Recomponho-me e entro.
Olho para a nossa mesa e não estás lá... Por momentos, hesito e olho em redor à tua procura. Não me enganei. Tu ainda não chegaste. Pela primeira vez, sento-me sem ti!
Não sei quanto tempo passou... se uma hora, se duas, mas tu continuas a não estar...
O empregado serve-me o habitual, café com leite e torrada, e diz qualquer coisa que não percebo e que nem me esforço para entender.
Enquanto espero, vou mexendo a colher na chávena do café. No entanto, não presto atenção ao que estou a fazer. A minha cabeça está num turbilhão. Interroga-se. Onde é que tu estás? Porque é que não viestes? Porque é que não me avisaste? De repente, paro e lembro-me que não sei onde moras, que não sei o teu apelido, que não tenho o teu número.... Nunca foi preciso. O nosso encontro estava sempre marcado.
De repente, percebi que dependo de ti! Que o meu corpo está fraco, que me sinto mal disposta, que estou doente! E amanhã? Será que vens? Espero que sim... Não te posso perder!
 Não aguento estar mais aqui! Sinto-me a sufocar! Levanto-me e saio.
Hoje, o encontro marcado foi sem ti...!

E por aqui me fico!
Fiquem bem!




  

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Só a mim....


Há coisas que só me acontecem a mim!
Não sei se com vocês é assim, mas eu tenho um azar terrível com carros novos; Ou, pelo menos, novos na minha mão.
Eu devo ser a pessoa mais propensa a acidentes de carro! Não há carro que me resista!
Aliás, cá em casa, já se fazem apostas para saber quanto tempo o carro dura sem eu bater com ele!
Lembram-se de vos ter falado que o meu carro estava na oficina?
Bem, pois foi... E como o arranjo era muito caro e o carro já tinha cerca de 8 anos... Eu e o meu marido optámos por comprar um. Novinho em folha, acabadinho de sair do stand!
Lindo! Com cheirinho a novo e não podíamos estar mais contentes!
Mas esta vossa amiga... tem uma coisa com carros novos!
Pura e simplesmente, não consegue resistir a dar uma batidinha... Todos os carros têm que ter uma amolgadela. A marca da Serena!
Pois, o carro tem um mês e hoje foi batizado!
Fui logo meter-me com um jipe! Escusado será dizer, que o jipe, saiu incólume ... já o meu .... ficou com a parte de trás um pouco metida para dentro... Coisa pouca....
Já ninguém tem forças para refilar comigo!
Só para perceberem que esta coisa com carros já vem detrás, vou-vos contar uma pequena história: Quando tirei a carta, mais ou menos há 20 anos, fiquei com o carro do meu irmão. Só passados alguns dias, é que pude fazer o seguro. Quando o fiz, peguei logo no carro e fui buscar o meu marido, na altura namorado,  ao trabalho. Contentíssima da vida. Lá ia eu na estrada ... quando..... não consegui travar a tempo e .... já adivinharam... bati! O seguro nem tinha uma hora e eu bati com o carro....
Sim... só me resta rir ... para não chorar!
Qualquer dia, as companhias de seguro não me aceitam...! Como eu as compreendo!

E por aqui me fico!
Fiquem Bem!

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Hoje, é um dia igual a tantos outros


Hoje, é um dia igual a tantos outros....
Igual nas horas vividas.
Igual nos gestos repetidos.
Igual nas palavras murmuradas...

Hoje, é um dia igual a tantos outros...
Igual na rotina instalada.
Igual no cansaço sentido.
Igual nos silêncios ocorridos...

Hoje, eu não quero um dia igual a tantos outros...
Não quero dias cinzentos!
Não quero sentimentos apagados!
Não quero momentos fingidos!

Hoje, eu não quero um dia igual a tantos outros...
Não quero silêncios sofridos!
Não quero noites perdidas!
Não quero sonhos acabados!

Hoje, é um dia tão diferente dos outros...
Diferente no caminho percorrido!
Diferente no sentir alcançado!
Diferente na história construída!
Diferente no rumo tomado!

Hoje, não é um dia igual a tantos outros...

E por aqui me fico!
Fiquem Bem!